Entenda como funciona a fabricação do Álcool GEL e quais são as luminárias ideais para a iluminar a produção

29/04/2020
Compartilhe
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppPinterestEmail

Em razão do avanço e do surgimento de novas e devastadoras doenças, torna-se necessário como medida de combate, segurança e higiene a disponibilização do álcool em gel acima de 70% em todos os estabelecimentos públicos e privados, como pontos comerciais, estabelecimentos de serviços de saúde e de tráfegos (como aeroportos e rodoviárias). Por se tratar de um antisséptico potente e bastante eficiente no combate dessas doenças, desinfeta as mãos e evita assim a proliferação dos vírus e bactérias.

Em tempos de COVID a produção do álcool em gel tem aumentado de forma expressiva por iniciativa de empresas privadas no auxilio do combate da doença. Mas você sabe como ele é fabricado e as exigências e cuidados no processo produtivo?

Confira abaixo detalhadamente como funciona cada parte do processo de fabricação do Álcool Gel e a luminária correta para ser aplicada  levando em conta a particularidade de cada ambiente do processo:

Lavagem da Cana

A cana de açúcar, chegando às usinas em sua forma pura, é colocada em uma esteira rolante. Lá, ela é submetida a uma lavagem que retira sua poeira, areia, terra e outros tipos de impurezas. Na sequência, a cana é picada e passa por um eletroímã, que retira materiais metálicos do produto.

Luminárias indicadas:

CLF-MP

CLF-HP

 

 

 

 

 

Moagem

Nesse processo, a cana é moída por rolos trituradores, produzindo um líquido chamado melado. Cerca de 70% do produto original viram esse caldo, enquanto os 30% da parte sólida se transforma em bagaço. Do melado, continua-se o processo de fabricação do etanol, enquanto o bagaço pode ser utilizado à geração de energia na usina.

Luminária indicada:

CLG

 

 

 

 

 

 

Aquecimento e Remoção de impurezas 

Para eliminar os resíduos presentes no melado (restos de bagaço, areia, etc), o líquido passa por uma peneira. Em seguida, ele segue a um tanque para repousar, fazendo com que as impurezas se depositem ao fundo – processo chamado decantação. Depois de decantar, o melado puro é extraído e recebe o nome de caldo clarificado. O último processo de extração de impurezas é a esterilização, em que o caldo é aquecido para eliminar os micro-organismos presentes.

Luminárias indicadas:

CLG

 

CLT

Destilação

Estando o etanol misturado ao vinho fermentado, o próximo passo é separá-lo da mistura. Nesse processo, o líquido é colocado em colunas de destilação, nas quais ele é aquecido até se evaporar. Na evaporação, seguida da condensação (transformação em líquido), é separado o vinho do etanol. Com isso, fica pronto o álcool hidratado, usado como etanol combustível, com grau alcoólico em cerca de 96%.

Para a transformação em Gel é necessário aplicar uma substância chamada Carbopool 940 no álcool líquido para dar consistência, ele é levado ao agitador mecânico por cerca de duas horas. Quando o Carbopool fica bem diluído, o álcool fica bem encorpado. Após esse processo é necessário acrescentar o AMP 2000 que vai ajustar o nível de acidez e chegar no PH ideal.

Luminárias indicadas:

CLY

CLG-EX

CLZ-EX

Reservatório de Álcool 

Com o álcool hidratado preparado, basta retirar o restante de água contido nele para se fazer o álcool anidro. Essa é a etapa da desidratação, no qual podem ser utilizadas diversas técnicas. Um delas é a desidratação, em que um solvente colocado ao álcool hidratado mistura-se apenas com a água, com os dois sendo evaporados juntos. Outros sistemas, chamados peneiração molecular e pervaporação, utilizam tipos especiais de peneiras que retêm apenas as moléculas da água. Após ser desidratado, surge o álcool anidro, com graduação alcoólica em cerca de 99,5%, utilizado misturado à gasolina como combustível.

Luminárias indicadas:

CLY

 CLG-EX

 

Envases, empacotamento e estoque

Nesta etapa, o etanol anidro e hidratado são armazenados em enormes tanques, até serem levados por caminhões que transportam até as distribuidoras.

Os resíduos produzidos durante toda a fabricação do etanol também podem ser aproveitados pelas indústrias. Os resíduos sólidos, como bagaço, podem ser reutilizados energeticamente como biomassa. Já o dióxido de Carbono (CO2), derivado do processo de fermentação, pode ser utilizado à produção de refrigerantes.

O álcool utilizado para outros produtos, como bebidas, cosméticos, solventes, produtos de limpeza, etc, são obtidos da mesma maneira, passando posteriormente por outros processos que o transformam no produto final.

Luminárias indicadas:

CLB

 CLF-MP

Nossas luminárias são fabricadas especificamente de forma robusta para ter alta durabilidade em áreas agressivas e atende todo o processo produtivo listado acima.